Patita Feia

"Assim como falham as palavras quando querem exprimir qualquer pensamento, assim falham os pensamentos quando querem exprimir qualquer realidade." - F.P.

quarta-feira, outubro 18, 2006

Me, myself and I

Finalmente estão a ser demolidas as casas daquele bairro abandonado que só conheço dos meus sonhos.

_____________________________________________________________

Os meus sonhos são tão recorrentes e repetidos...
Às vezes as situações mudam, mas as paisagens e casas e coisas dos sítios que eu também conheço na vida real não existem senão na minha cabeça.
As pessoas existem, outras também mas só nos meus sonhos.
Há pessoas que nem nos meus sonhos que não deviam existir. Outras que só lá existem. Outras que não deviam existir NUNCA.

_____________________________________________________________

Reflexos da memória residual?
Tentativas de apagar dias, noites, horas, momentos?
Vontade de reviver coisas boas, rever outras tantas, ouvir a voz minha Mãe?
Ânsia incontrolável de querer mudar (algum) passado?

Vontade de fugir, de voltar, vontade de mudar, vontade de explodir, de fazer explodir, vontade de me encontrar, vontade de me ver, de me rever, de me refazer, de me fazer Mulher, de voltar a ser Menina?

Lembro-me dos sonhos mal acordo.
Vou tendo flashes dos mesmos ao longo do dia, enquanto se vão dissipando.
Mas fica sempre um fragmento de cheiro. Um farrapo de sabor a beijo na boca. Um toque de pele. Um murro na barriga. Um pontapé no maxilar. Um grito ofensivo que nãose ouve mas que me corrói os pulmões.

_____________________________________________________________

Um casamento de três dias. Uma quinta com cavalos, karting, rio, quartos para todos, roupa para todos, maquilhagem para tod@s, com tudo para todos.
Todos presentes. Excepto a minha Mãe.
Caír-me um dente dos de leite que eu já não tenho há anos.
Vestido de noiva molhado. Caír de um barco a remos sem remos.
Toda a gente bonita, engalanada, os meus amigos e família numa redoma de felicidade.
E depois... avistar ao longe a minha Mãe. A minha querida Mãe. A minha saudosa Mãe.
A minha Mãe, que larga o flûte e o canapé, e vem directa a mim e me abraça terna e profundamente. A minha Mãe, que chora comigo e eu sem ela.
A minha Mãe- que só eu consigo ver- vestida de cor-de-rosa-choc. (credo Mamã, sorry, non mea culpa...!).

____________________________________________________________


Na escadaria daquele prédio daquele bairro degradado na minha cidade - que disso nada tem - o homem careca que anda mais depressa do que eu corro, que me toca sujo, cujo grito sai mudo, cujas paredes não têm tinta, cujos vizinhos não têm ouvidos, cujo faca eu não trouxe, cujo pontapé não lhe acerta, cujo mão não me larga.
Entre as ruelas que não existem na minha cidade, percorro as ruas à procura desalmadamente de alguém que eu não conheço. Alguém que me vai ajudar. Alguém cuja cara, forma, nome, localização pura e simplesmente eu desconheço.
Alguém que não vou encontrar a tempo.

_____________________________________________________________

À medida que vou escrevendo, consigo vislumbrar perfeitamente o código destes sonhos.
Os traumas vão durar para sempre, eu bem sei.

Mas posso tentar correr mais um bocadinho pela escadaria do prédio na próxima vez.
Mas posso abraçar mais um bocadinho a minha Mãe na próxima vez.

_____________________________________________________________

Finalmente estão a ser demolidas as casas daquele bairro abandonado que só conheço dos meus sonhos.

5 Grasnados:

At 11:13 da tarde, Anonymous Pecola aQUACKrescentou...

"Entrar" pelo teu subconsciente através das tuas palavras sabe um bocadinho a invasão de privacidade.. Às vezes custa comentar, de tão "teu" que é o momento. Ás vezes apetece dizer "estamos aqui", apesar de estarmos longe e nem nunca termos estado perto.

Esse teu sonho recorrente é um sinal do vosso amor. Talvez da próxima vez a abraces no sonho. Mas de certeza que todos os dias sorriem uma para a outra.

************ (my life's a mess - in a funny sort of way -, amanhã a ver se explico) *************

 
At 9:04 da manhã, Blogger Bruna Pereira aQUACKrescentou...

Desde que moro no Intendente ganhei uma sensibilidade que ultrapassa a que tinha nos sonhos. Não é viver num pesadelo, é morrer com a realidade que vejo todos os dias...
Sei do que falas, sinto-te as palavras.
Bjinhos

 
At 9:35 da manhã, Blogger mfc aQUACKrescentou...

Infelizmente raramente me lembro dos meus sonhos.
Assim não os posso aproveitar para reconhecer os meus "pontos de fuga"!

 
At 11:57 da manhã, Anonymous Jane aQUACKrescentou...

A magia dos sonhos,os reacdos obscuros que nossa mente nos tras, nunca consegui entender...bom hj é sexta-feira, FDS batendo a porta, chega de sonhar, vamos viver.
Beijos

 
At 1:10 da tarde, Anonymous Jane aQUACKrescentou...

Espero que vc tenha se divertido bastante neste FDS, e que seus sonhos mais bonitos tenha se tornado realidade.
Apareça sempre que poder.
Beijos e uma linda semana!

 

Enviar um comentário

<< Voltar a' casa do Patos